A Tailândia é um lugar maravilhoso. Tem praia, montanha, cachoeira, templo, mesquita, museu, mercado, ou seja, tem coisa para fazer para todos os gostos. E, graças a essa infinidade de opções, eu acabei fazendo muita coisa que dificilmente eu faria na minha “vida real”, o suficiente para a minha família viver repetindo que eu devo ter sido abduzida.

Por exemplo, apesar no meu pavor de entrar no mar à noite, temendo que alguma criatura gigante das profundezas resolvesse dar um rolé e me usar de aperitivo, eu me joguei na completa escuridão em Phi Phi para poder nadar com plânctons brilhantes que me fizeram sentir a própria pequena Sereia. Além disso, mesmo sendo a rainha do sedentarismo, eu topei fazer escalada nos paredões de rocha em Krabi (ainda que tenha ficado só nas paredinhas). Eu até comi grilos fritos, veja só!

Mas ainda assim, vira e mexe aparece alguém perguntando se eu fiz ou vou fazer alguma coisa que todo mundo associa à Tailândia, mas que honestamente não está na minha lista por razões diversas.

Não, eu não vou fazer uma tatuagem de bambu com os monges. Para começar, que na versão séria dessa parada você não escolhe o desenho nem o local da tattoo. É o monge que decide o que e onde vai ser e tem todo um significado espiritual que não faz o menor sentido pra mim que sou ateia até o último fio de cabelo. Além disso, não combina nem um pouco com o estilo das minhas outras tattoos.

Não, eu não visitei a vila das “mulheres-girafas”, porque depois de muita pesquisa fiquei sabendo que elas são na verdade de um povo refugiado vindo de Myanmar que recebe um tratamento no mínimo duvidoso do governo tailandês. Ouvi relatos de pessoas que se sentiram visitando um “zoológico de gente”, e eu não tenho o menor interesse em contribuir para isso. Ah, e eu também não fui assistir a um show de ping pong. Por mais que eu ache que todo mundo deve aproveitar o talento que tem, acredite, aquelas mulheres não estão se divertindo.

Não, eu não fui no templo dos tigres (aliás, em nenhum deles, porque tem alguns espalhados por aqui), porque eu não preciso de uma foto abraçada com um felino de mais de 100 quilos que precisa estar obviamente dopado para não pular na minha jugular. E para continuar no tópico animais, não, eu não andei em cima de um elefante que precisou ser torturado quando filhote para aceitar esse tipo de interação com humanos.

Mas em compensação, depois de muita pesquisa a procura de um lugar ético, passei o dia em um santuário que resgata elefantes que antes eram usados para diferentes tipos de trabalho. Lá  eu pude alimentá-los, tomar banho no rio com eles e ver como eles vivem “quase” em liberdade. Foi simplesmente maravilhoso, e a prova disso é a minha cara de pateta em todas as fotos que eu tirei aquele dia.

Mais de dois meses já se passaram desde que eu cheguei na Tailândia e não, eu não fiz tudo que eu poderia fazer. Não por falta de tempo, mas porque eu escolhi fazer coisas que não só me renderiam momentos de diversão e fotos com muitas curtidas nas redes sociais, mas coisas que não causassem um impacto negativo na vida dos envolvidos ou que contribuíssem para a perpetuação de situações de injustiça. E depois de gastar todo o meu arsenal de palavras bonitas, posso dizer que não me arrependo, e vou continuar a não fazer várias coisas pelo mundo.

Faça um comentário