Não é surpresa para ninguém que viajar é bom. Além disso, também não é novidade que não há forma mais gostosa de aprender sobre isso que viajando. No entanto, muitas vezes, algumas mulheres acabam se inibindo quando pensam em viajar sozinhas. Foi justamente para ajudar a lidar com a situação que listamos 6 livros sobre viajar sozinha para inspirar e encorajar. Confira!

Vale a pena ler: seis livros sobre viajar sozinha que vão te inspirar

1- Sozinha mundo afora, Mari Campos

Sinopse: “Sozinha Mundo Afora”, da jornalista e viajante profissional Mari Campos, é uma obra fácil, prática e bem humorada que traz dicas e informações para qualquer mulher independente de idade ou condição financeira que queira desbravar o mundo sozinha. Reúne vários depoimentos de mulheres viajantes que já passaram por essa experiência, dicas de sites, blogs e agências especializadas em viagens solo.

O livro tem como objetivo mostrar que viajar desacompanhada pode ser uma oportunidade para crescer pessoal e profissionalmente, descobrir-se, fazer amizades, conhecer mais a fundo a cultura de cada local e ter boas experiências. Dividido em capítulos, a obra dá dicas de como escolher o melhor destino, garantir que o passeio será seguro, como fazer as malas etc. O livro derruba por terra mitos como o de que viajar por conta própria sozinha é caro, chato, e perigoso.

2.Bravas viajantes, histórias de sete mulheres se aventurando sozinhas por sete cantos do mundo

Sinopse: o livro “Bravas viajantes” compartilha o relato de viagens de sete mulheres brasileiras e viajantes que se aventuram sozinhas por diferentes partes do mundo e por diferentes razões. Além de inspiração e incentivo de que tenhamos a coragem de sair da zona de conforto, este livro exemplifica que apesar das dificuldades, não há limites para o empoderamento feminino.

Samantha foi se aventurar nas trilhas e cachoeiras da Chapada Diamantina. Gabi tomou um ônibus rumo a Patagônia argentina. Danieli, deficiente visual, embarcou para Nova York a fim de começar a treinar seu cão-guia. Louise viajou de carona e aproveitou o Couchsurfing na Alemanha. Gabriella se jogou no sudeste asiático e conheceu a Tailândia, Vietnã, Laos e Camboja. Priscilla trabalhou e viajou pela Austrália. E Tamy fez uma expedição saindo do Quênia até a África do Sul.

3.Comer, rezar, amar, Elizabeth Gilbert

Sinopse: Elizabeth Gilbert aos quase trinta anos tinha tudo o que uma mulher americana moderna, e ambiciosa poderia querer: um marido apaixonado, uma casa nova e espaçosa, o projeto de ter filhos e uma carreira de sucesso. Mas ao invés de sentir-se feliz e realizada, sentia-se confusa, triste e em pânico. Acabou pedindo o divórcio, enfrentou uma depressão debilitante e outro amor fracassado. Até que aos 32 anos decidiu tomar uma decisão radical: livrou-se de todos os bens materiais, demitiu-se do emprego, e partiu sozinha para uma viagem de um ano pelo mundo em busca de sua recuperação pessoal.

Seu primeiro destino foi a Itália, onde ela descobriu o verdadeiro prazer de comer, além de ter estudado italiano e artes. Na Índia, seu segundo destino, a autora foi em busca da devoção, passando quatro meses em uma comunidade onde as pessoas meditam, oram, praticam ioga e buscam a evolução espiritual. E na Indonésia, a intenção era encontrar o equilíbrio, e onde ela completa seu ciclo “em busca de todas as coisas da vida” e se apaixona novamente, por um brasileiro.

Escrito com ironia, humor e inteligência, o livro “Comer, Rezar e Amar” é baseado em fatos reais e salienta a importância de assumir a responsabilidade pelo próprio contentamento e parar de viver conforme os ideais da sociedade, através de uma série de reflexões ao leitor sobre a vida, relacionamentos e equilíbrio.

4. Trilhas, a incrível jornada de uma mulher pelo deserto australiano

O livro conta a corajosa e difícil jornada da australiana Robyn Davidson, uma mulher de 27 anos que em 1977 decidiu cruzar o deserto australiano até a costa, ela iniciou sua jornada em Alice Springs situada bem no meio do continente, percorreu cerca de três mil quilômetros, até o Oceano Indico. Tendo apenas como companhia quatro camelos e sua cadela de estimação. Resistiu sob o calor sufocante, defendeu-se de cobras venenosas e homens lascivos, perseguiu os camelos em suas fugas e cuidou deles quando feridos.

O livro é uma mistura muito bem elaborada de trekking, romance, mar, deserto, tempestades de areia, convivência com os povos aborígenes. Robyn se descobre e se transforma, através de reflexões a respeito da vida e autoconhecimento. Sua aventura foi publicada pela National Geographic em 1978

5. Viaje sozinha, Flávia Soares Julius e Maristela do Valle

Sinopse: com o intuito de estimular o turismo solitário das mulheres as jornalistas Flávia Soares Julius e Maristela do Valle lançam o livro “Viaje Sozinha”. O livro dá dicas, informações e relata experiências para que você embarque numa boa e se divirta como nunca. É uma leitura divertida e gostosa de ler.

E coloca como ênfase que independente de sua viagem ser nacional ou internacional é sempre importante se informar sobre os costumes do lugar de destino, sendo sempre prudente também para evitar assaltos ou assédios inconvenientes e ter uma viagem tranquila. O livro traz uma seção com tradução para várias línguas de expressões de grande valor para a mulherada, e tem ainda um capítulo inteiro dedicado às regras de comportamento em cada país.

6. Livre, a jornada de uma mulher em busca do recomeço

Sinopse: O livro relata a jornada de Cheryl Strayed, que em 1995, aos 26 anos se sentia no fundo do poço, uma vez que se encontrava em um casamento infeliz, não tinha perspectivas profissionais e perdera sua mãe quatro anos atrás. Foi então que ela resolveu dar uma guinada na vida e encarar a Pacific Crest Trail, uma trilha de 4.260 km, que se estende de ponta a ponta dos Estados Unidos, da fronteira com o México até a do Canadá, e a elevação varia do nível do mar até aos 4.009 metros de altura. Mas Cheryl fez apenas parte do caminho, saindo do Deserto de Mojave, através da Califórnia e do Oregon, até o estado de Washington.

São as emoções, aceitação e a entrega pessoal desta jornada, as dificuldades encontradas pela aventureira ao longo da trilha, assim como os motivos que a levaram a esta viagem que Cheryl descreve no livro. O livro foi lançado apenas em 2012, pois ela só teve vontade de contar esta experiência durante três meses de trilha. “Mas, na realidade, minha caminhada começou antes de eu sequer imaginar empreendê-la, mais precisamente quatro anos, sete meses e três dias antes, quando estava em um pequeno quarto da Clínica Mayo, em Rochester, Minnesota, e soube que minha mãe ia morrer”, relata a autora.

Esses são os seis livros sobre viajar sozinha que recomendamos para quem procura inspirações. Curtiu? Tem alguma indicação de livro também? Deixe nos comentários!

Faça um comentário