Viajar sozinha não significa solidão

Imagem: Ana Manuela, em Flinders Street Station, Meulborne, Victoria – Australia. (2016)

Eu me lembro a primeira vez que viajei sozinha. Foi em 2014. Antes dessa data, eu nunca tinha me permitido gozar da minha própria companhia, sem roteiro pré-definido. Apenas em 2014 fui “iniciada” no que hoje se tornou um dos meus hobbies prediletos: viajar “sola”.

Viajei ao Rio de Janeiro, por apenas um dia em meio, para a Copa do Mundo. Fiz um roteiro adequado ao tempo que tinha (Pão de Açúcar, Lapa e Copacabana). E acreditem: tudo sem planejar, de sopetão, me baseando apenas no velho brocardo “quem tem boca vai a Roma” .

Imagem: Ana Manuela, no Pão de Açúcar, Rio de Janeiro (RJ), 2014

O fato é que ter me permitido viver o desconhecido me abriu portas para um caminho que até então era excêntrico: o de ser feliz viajando, ainda que sozinha. Sempre que viajo, alguém me pergunta com espanto e tom de preocupação: “Ué, mas você está só?”.Essa pergunta sempre me incomodou um pouco.

Afinal, o que é estar só?

Me lembro de ter ido à Lençóis, interior da Bahia, situada na Chapada Diamantina. Lençóis é mágico. Não há como não gostar daquela cidade. Entretanto, viajei para lá com alguns amigos e a viagem, para mim, foi trágica.

Além de mil motivos que renderiam um texto (que poderia ser intitulado “Não é viagem, é cilada”), havia algo que jamais faria com que aquela “trip” fosse bacana. Eu não estava feliz comigo mesma. Embora eu estivesse rodeada por pessoas que amo, a solidão estava dentro de mim. E isso, meninas, é estar só.

Quantas vezes você já abdicou de uma saída apenas por não ter companhia? Quantas vezes você já pesquisou aquele lugar maravilhoso em uma cidade pitoresca que ninguém topa ir contigo? Por fim, quantas vezes você já se tornou refém do “sim” de alguém tão somente para não se sentir só, mas aquele momento não te preencheu?

Eu posso responder para vocês que já passei por isso algumas vezes, até entender que o “ sim” que damos ao outro para afastar o substantivo “solidão”, em detrimento das nossas vontades, é um não que damos para quem realmente somos.

Viajar pode ser transpor limites territoriais. Entretanto, viajar sozinha é se permitir transpor os seus próprios limites, em busca de conhecer o novo e a si mesma. E isso não tem qualquer relação com solidão, mas sim com se sentir em paz com a única pessoa que estará contigo “full time” em sua vida: você mesma.

O viajar sozinha me permitiu esse entendimento. O viajar sozinha me fez entender que nunca estaremos só, não apenas por termos um lugar de origem, mas porque temos a nós mesmas. O viajar sozinha me fez ser mais cautelosa com as minhas escolhas, ser observadora das situações da vida, ouvir o outro, respeitar as diferenças e, o mais importante, e confiar em mim mesma.

É isso que desejo para cada uma de vocês.

Alguns vão te chamar de louca. Alguns vão te chamar de corajosa. Alguns vão te chamar de solitária. Mas, como você vai se enxergar é o que realmente importa.

 

Ana Manuela Borges
Baiana, 25 Anos. Apaixonada pelo (auto) conhecimento do “démodé” à “novidade”. Amante das artes, da cultura, da natureza e das coisas simples.
Faça um comentário

Aviso

A reprodução total ou parcial do conteúdo publicado no M pelo Mundo, sem a autorização do site, é proibida pela Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.

1 Comment

  1. Eu sempre quis viajar pelo mundo e conhecer altas culturas mas sempre me paralisou o medo de estar só, de não ter ninguém pra comentar, de não ter ninguem pra me ajudar em caso de emergência e por isso semore adiei minha liberdade.
    Ha algum tempo tenho começado a estudar o EU e percebo como nós fugimos de nós mesmos. Quem somos nós? A falta de resposta assombra tanto que nos embriagamos nas experiencias externas sem nunca olhar pra dentro.
    “Você descobre sua força quando ela é sua unica saida” disse alguem que admiro muito e estou atualmente nesta jornada de me descobrir e me amar. Sem culpas, magoas, amarras e pena.
    Eu acho que seu texto convida a refletir “porque nós fugimos de nós?” E agora vejo que ainda estou fugindo condicionando este grande sonho ao sim de alguem.
    Tnk manu😘

Comments are closed.