9 dicas para viajar de avião com crianças pequenas

Imagem: Pexels

Viajar de avião com bebês e crianças pode ser uma situação um pouco assustadora para as mamães. No entanto, não precisa ser tão complicado como parece. Isso porque é necessário apenas se atentar a algumas dicas que podem facilitar tudo. Pensando em auxiliar as mamães, o buscador global de viagens Skyscanner separou algumas informações. Confira!

1- Idade da criança

A Skyscanner lembra que cada companhia aérea define um tempo de vida mínimo que a criança precisa ter para embarcar. “No entanto, não é recomendado que bebês com menos de dois meses viajem de avião pelo fato de eles ainda estarem desenvolvendo seu sistema imunológico, em uma fase de vacinas e a aeronave ser um local totalmente fechado, que facilita a transmissão de doenças”, explica.

2- A escolha do destino

Qual destino é ideal? Essa é uma pergunta muito comum entre as mamães. A empresa recomenda que a definição do local da viagem deve levar em conta a infraestrutura do hotel e dos locais de passeio. “Parques temáticos, em geral, contam com atrações para a família toda e infraestrutura para os pais trocarem as roupas e fraldas dos bebês. Orlando , nos Estados Unidos, que abriga os parques da Disney, Universal, entre outros; e Penha, em Santa Catarina, que é morada do Beto Carrero World, são boas opções”, recomenda.

3- Preço das passagens

Você sabia que em voos domésticos bebês de menos de 2 anos geralmente voam de graça se acomodados no colo de um adulto? Pois é. A Skyscanner ainda lembra que em voos internacionais, as companhias aéreas cobram um valor referente a até 10% do preço da tarifa mais impostos para transportar os pequenos de até dois anos no colo. No caso de crianças maiores de dois anos, a compra de um assento para elas é obrigatória e as empresas cobram uma taxa que gira em torno de 50% a 75% do valor total dos tickets.

4- Documentação em ordem

Assim como os adultos, as crianças precisam de documentação para viajar. Os documentos válidos são:

-Viagens internacionais só com passaporte – caso a criança viaje apenas com um dos genitores, é preciso uma autorização do outro por escrito e com firma reconhecida.

-Viagens nacionais com carteira de identidade, ou certidão de nascimento ou RG.

“Para voos nacionais, crianças podem embarcar sem os pais ou responsáveis apenas com autorização autenticada por um deles. No caso de viagens internacionais, só é possível o menor de idade viajar portando autorização autenticada dos dois pais”.

5- Bagagem de mão

Outra dica do buscador global de viagem diz respeito da bagagem de mão. “Quem viaja com os filhos pequenos precisa se preparar para imprevistos durante o percurso, tendo sempre na bagagem de mão fraldas, trocas de roupa para o bebê e para o acompanhante, alimentos (como leite em pó, papinhas e lanches, de preferência os favoritos da criança) e brinquedos e/ou livros. Dica: carregue comidinhas e fraldas apenas para a viagem e deixe para comprar estes itens no destino. Quanto mais leve for a bagagem, mais fácil será se deslocar com o pequeno”, explica.

6- Embarque

“No embarque, tentar entrar por último na aeronave, se possível. Se tiver um acompanhante, ele pode embarcar na fila de prioridades e acomodar as malas com tempo, enquanto o responsável e a criança esperam pacientemente todos os passageiros embarcarem. Com isso, evita-se ficar restrito ao assento antes do necessário e de irritar o pequeno antes mesmo de o avião decolar”, recomenda a Skyscanner.

7- Decolagem, aterrissagem e iluminação 

De acordo com a Skyscanner, uma boa dica para evitar que os bebês sintam a pressão no ouvido durante a decolagem e aterrisagem é deixá-los ocupados com o peito, mamadeira ou chupeta. A sucção faz com que eles não sintam o desconforto auditivo. “Uma boa maneira de diminuir a luminosidade do avião e criar um ambiente mais confortável para o sono da criança é colocar fita crepe sobre as lâmpadas próximas ao seu assento. Isso deixa a luz menos forte e cria uma atmosfera mais intimista”.

8-  Acomodação e troca de fraldas

Na oitava dica, a empresa lembra que algumas companhias aéreas têm bercinhos especiais que podem ser solicitados antes do embarque. No caso das que não o disponibilizam, é possível levar uma almofaçada para acomodar o bebê no colo. Para quem adquiriu uma passagem para a criança, uma boa saída é encaixar o bebê conforto no assento.

“Para a troca de fraldas, melhor se informar se a aeronave possui trocador nos banheiros. Caso não tenha, é possível solicitar a ajuda da tripulação para realizar as trocas da criança em uma poltrona da forma mais conveniente possível. Não tenha medo de solicitar o auxílio dos comissários de bordo; eles estão acostumados com essas situações”.

9-  Carrinho de bebê pode ser despachado na porta do avião

“Os pais ou outros responsáveis pelas crianças têm o direito de usar os carrinhos de bebê até o momento do embarque, que é quando os fiscais da companhia recolhem o objeto para colocá-lo no compartimento de bagagens. No desembarque, o objeto de transporte pode ser retirado na porta do avião ou na esteira rolante, junto aos outros pertences, dependendo da companhia aérea. Por este motivo, adereços como slings e cangurus são recomendados para fazer o transporte dos pequenos do avião até a saída, nas conexões de voos e até mesmo nos passeios turísticos.

Importante: os carrinhos não contam como bagagem. Além disso, se um assento não tiver sido comprado para a criança, as malas dela são contabilizadas como de um dos pais”, finaliza.

Fonte: Divulgação/Assessoria de imprensa 

Faça um comentário
Da redação
Somos o primeiro portal de informações e dicas de viagem para mulheres.

Leia também:

Aviso

A reprodução total ou parcial do conteúdo publicado no M pelo Mundo, sem a autorização do site, é proibida pela Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.