Saiba como tirar o visto de turismo para a China

FOTO: FABRIZIO BENSCH/REUTERS

Apesar da palavra “visto” assustar muita gente, especialmente por causa das muitas histórias de fracasso que todo mundo já ouviu falar sobre o visto americano, a permissão para entrar na China como turista pode ser obtida sem muito estresse nem necessidade de apelar para uma agência especializada.

Para começar, você precisa planejar a sua viagem com cuidado para saber que tipo de visto de turismo (o chamado visto “L”) pedir. O tempo de estadia vai depender do tipo de visto a ser requisitado. O de uma entrada tem duração de 1 mês, o de duas entradas de 3 meses e o de múltiplas entradas de 6 ou 12 meses. Para os vistos com mais de uma entrada, você precisará sair do território chinês por algum tempo. Você pode visitar algum outro país na Ásia, por exemplo, para depois voltar. E claro, os preços para cada um desses tipos de visto variam.

Com o roteiro e o tipo de visto necessário definidos, é hora de pensar na documentação. Além do passaporte original com validade mínima de seis meses e páginas para vistos em branco, é preciso ter uma cópia da página dos dados pessoais, o formulário de visto (que pode ser obtido no site da embaixada) devidamente preenchido com letra de forma legível acompanhado de uma foto 3×4, e os comprovantes de passagens aéreas (tanto de entrada quanto de saída da China) e de hospedagens em todos os hotéis nos quais você irá ficar no período em que estiver no país.

Se for se hospedar na casa de algum conhecido, será necessário apresentar uma carta-convite com todos os dados pessoais do convidado e do convidante, além do período de estadia. Apesar de não constar no site da embaixada, já li relatos de que alguns consulados chineses pedem também uma cópia da declaração de imposto de renda. Então, por via das dúvidas, é bom levar.

Hora de ir ao consulado para tirar o visto de turismo

Com tudo isso em mãos, você irá até o consulado que atende o seu estado. Você pode conferir o mapa de jurisdição consular aqui. Estando tudo certo, eles ficarão com a documentação e lhe darão um boleto para o pagamento da taxa consular, que deve ser efetuado na boca do caixa em uma agência do Banco Bradesco. Após o prazo estipulado, é só apresentar o comprovante de pagamento no consulado para retirar o seu passaporte com o visto.

Recentemente um acordo foi firmado entre os governos do Brasil e da China para garantir que os vistos fiquem prontos em no máximo 5 dias úteis. Na minha experiência com o consulado chinês no Rio de Janeiro , o visto ficou pronto em 4 dias úteis. E eles também oferecem uma opção de taxa de emergência para aqueles que estão com pressa e dispostos a pagar um pouco mais.

Modalidades de vistos na China

Existem outras modalidades de visto para os interessados em fazer negócios, trabalhar ou estudar na China. No entanto, cada um tem os seus próprios requerimentos. Há também a possibilidade de se visitar algumas cidades sem a necessidade do visto, graças à isenção de visto de trânsito de 72 horas para algumas cidades (Beijing, Guangzhou, Chengdu, Dalian, Shenyang, Guilin, Chongqing, Kunming, Xian e Xiamen) e de 144 horas para outras (Shanghai, Nanjing e Hangzhou).

Como já fica claro pelo nome, nesse caso,  a China não pode ser o seu destino final. É preciso comprovar no aeroporto que você está a caminho de outro país e está ali apenas de passagem. Também é bom frisar que nesses casos você só poderá ficar na cidade por onde entrou no país e não poderá visitar outros lugares.

Como informações sobre este tipo de política podem mudar a qualquer momento. É sempre bom conferir qualquer alteração no site da Embaixada da Republica Popular da China no Brasil e procurar dados atualizados sobre documentação, prazos e preços ao planejar a sua viagem.

ATUALIZAÇÃO NOVEMBRO/2017

Boas notícias para quem esta pretendendo vir para a China! O acordo firmado com o governo brasileiro já começou a facilitar a vida dos turistas. Os vistos estão sendo emitidos na modalidade múltiplas entradas, com período de estadia de 90 dias, renováveis por mais 90 dias, a cada 12 meses. E o melhor, com validade de 5 anos! 
Faça um comentário
Analu Bento
Rainha da contradição. Adora adjetivos que começam com pseudo. Viciada em cinema e seriados. Em constante procura por bandas que ninguém mais conhece. Bióloga que virou English teacher. Estranhamente obcecada por caveiras. Mochileira por vocação. Blogueira de ocasião. Carioca da clara. No momento, tentando escrever para o M pelo Mundo e Crônicas de uma Pessoa Comum, enquanto faz o possível para sobreviver em Pequim sem falar chinês. Analu Bento, muito prazer.

Leia também:

Aviso

A reprodução total ou parcial do conteúdo publicado no M pelo Mundo, sem a autorização do site, é proibida pela Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.