Por que visitar a China?

Lijiang - Tiger Leaping Gorge, Garganta do Pulo do TigreImagem. Analu Bento / Acervo pessoal

A China não é exatamente considerada um destino turístico desejado no Brasil, mas com a popularização das viagens internacionais nos últimos anos e as promoções de passagens aéreas que às vezes aparecem rumo ao outro lado do mundo, cada vez mais viajantes brasileiros estão dispostos a desbravar as terras chinesas.

Ao pensar nesse país dos superlativos (o mais populoso e o terceiro maior do mundo em área terrestre segundo a Wikipedia), além da Grande Muralha e dos Jogos Olímpicos de 2008, o que normalmente nos vem à cabeça são as pastelarias, os produtos de qualidade duvidosa, e as grandes aglomerações de gente, o que, convenhamos, não faz ninguém querer sair correndo para fazer as malas. No entanto, a China é um país maravilhoso com muito a oferecer e que merece ser descoberto pela indústria do turismo ocidental.

Pequim – Templo de Confucio. Imagem: Analu Bento / Acervo pessoal

A história milenar pode ser apreciada através dos templos, palácios e, claro, da Grande Muralha da China. Ao contrário do que se diz por aí, ela não pode ser vista do espaço, mas nem por isso é menos impressionante. Quem quer conhecer a muralha vai precisar fazer uma parada em Pequim (ou Beijing, como é conhecida internacionalmente), a partir de onde você poderá escolher o ponto de visitação que mais lhe agrada. Existem trechos completamente renovados e com estrutura para receber turistas e outros mais originais. Dependendo da sua escolha, você poderá fazer o passeio de forma independente ou terá que fazer parte de um tour.

Mas nem só de antiguidade vive o turismo na China. O contraste entre moderno e tradicional das grandes cidades como Beijing e Shangai fazem delas paradas obrigatórias em qualquer roteiro com seus arranha-céus, shoppings enormes e luzes hipnotizantes. Porém, não se engane, cidades menores como Hangzhou, Suzhou e Lijiang também têm seu charme, graças especialmente a arquitetura típica, e atraem hordas de turistas domésticos e internacionais todos os anos.

A natureza e a culinária chinesa

Os amantes da natureza também não irão se decepcionar por aqui. Por causa de suas dimensões continentais, a China apresenta as mais diversas paisagens, de vastos desertos a montanhas de picos nevados, passando por pastagens, praias, e diferentes tipos de florestas. Alguns cenários conseguem ser tão mágicos que influenciam até Hollywood, como no caso do Parque Nacional Florestal de Zhangjiajie, na província de Hunan, que serviu de inspiração para as montanhas flutuantes do filme Avatar. E já que você está no lar do panda gigante, aproveite para incluir uma parada em Chengdu onde é possível visitar o centro de pesquisas responsável por tirar o urso preto e branco mais fofo do mundo da lista de animais em risco de extinção.

No quesito culinária, é bom que você esteja preparado: o que você provavelmente conhece por comida chinesa não tem muito a ver com o que se come por aqui. Assim como no Brasil, cada região da China tem a sua especialidade, que vai do tempero agridoce ao muito apimentado da região de Sichuan. O que não falta por aqui é sempre arroz e noodles, então você não precisa se preocupar em morrer de fome quando não achar pastel nem yakisoba (que na verdade é de origem japonesa) em lugar nenhum, e definitivamente não vai precisar se aventurar nos petiscos exóticos no palito, a não ser que você esteja se sentindo aventureiro, claro. Mas é bom esclarecer: escorpiões no palito podem ser encontrados com certa facilidade, mas não representam a culinária asiática atual, hoje em dia são apenas uma diversão voltada para os turistas.

Escrevi isso tudo e ainda nem comentei dos budas escavados em rocha de Luoyang, dos passeios de barco no rio cercado por montanhas e plantações de arroz em Yangshuo, no exército de terracota de Xian, no paraíso de compras de eletrônicos em Shenzhen, nos monastérios do Tibete, nem na recém-inaugurada Disney de Shangai.

Como deu para perceber, eu não menti lá no início desse texto e a China realmente tem muito a oferecer. Espero que se esse post não fez você sair correndo para fazer as malas, tenha pelo menos plantado a sementinha da vontade de conhecer esse pedaço do mundo. E a próxima vez que uma promoção imperdível de passagem aérea com destino à Pequim aparecer na sua frente, você vai pensar seriamente se está na hora de ver a China com seus próprios olhos.

Faça um comentário
Analu Bento
Rainha da contradição. Adora adjetivos que começam com pseudo. Viciada em cinema e seriados. Em constante procura por bandas que ninguém mais conhece. Bióloga que virou English teacher. Estranhamente obcecada por caveiras. Mochileira por vocação. Blogueira de ocasião. Carioca da clara. No momento, tentando escrever para o M pelo Mundo e Crônicas de uma Pessoa Comum, enquanto faz o possível para sobreviver em Pequim sem falar chinês. Analu Bento, muito prazer.

Aviso

A reprodução total ou parcial do conteúdo publicado no M pelo Mundo, sem a autorização do site, é proibida pela Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.