Mulheres com mais de 50 anos: viajar em grupo ou sozinha?

Imagem: Pexels

Estive pensando nas vantagens e desvantagens de viajar solo, quando se tem mais de 50 anos, em grupo de conhecidos ou com agência, e não é tão simples assim listar prós e contras, pois tudo depende. Contudo, vou tentar me explicar melhor por temas.

As decisões de viajar em grupo ou sozinha

  • Solo

Eu em particular, não tenho problema em escolher, aliás, adoro. Acho uma delícia escolher sem mediar nada, mas acho que se nessa altura da vida (50+) tomar decisões sozinha ainda é um problema, a viagem solo ajuda muito a exercitar. É libertador!

  • Em grupo conhecido

Mediar e achar um consenso já dá um certo trabalho, mesmo porque sempre há de ter quem não concorda e inicia um movimento conflituoso. Um bom lembrete é que se pode escolher não ir com o grupo em cada uma das atividades, e saber ficam seus limites. É um aprendizado!

  • Com agência

O fato é que não precisa tomar decisões, é escolher o pacote e seguir o fluxo. Lembrando que sempre pode se chegar a fazer a escolha de não ir com todos e fazer algo diferente e da sua escolha. E, especialmente nessa fase da vida, é um alívio não ter que pensar em tudo. É relaxante!

A questão da segurança sobre viajar em grupo ou sozinha

  • Solo

Atenção redobrada sempre, preparação antes e a maior quantidade de informações que puder para evitar qualquer risco desnecessário. Saber aonde se está indo e ter algum contato local ajuda muito!!! Tem vários sites de dicas de viagens (M pelo Mundo, por exemplo) que se pode buscar e pedir informações, mas lembre-se, se for para viajar com “neura”, repense.

  • Em grupo

Sentir-se parte de um grupo já traz uma sensação de segurança, mas nem por isso é para relaxar geral. O grupo chama mais a atenção de fora e ficamos mais desatentas dentro. Preste atenção!

  • Com agência

Para mim é como o grupo, mas com um seguro viagem de respaldo, caso aconteça algo efetivamente.

Compartilhar e dividir despesas

  • Solo 

É… não tem como, nem com quem, mas escolher hostels, quartos de airbnb ou escolhas mais voltadas para uma economia criativa minimiza os gastos.

  • Em grupo 

O menor custo e com o melhor benefício, escolhas melhores e com muito mais possibilidade de descontos desde acomodações, refeições e passeios.

  • Com agência

Também com menor custo como no grupo, mas pode aumentar com as taxas de agências.

Abrir-se para novas possibilidades, descobertas e reflexões

  • Solo

Isso realmente acontece em uma viagem solo, seja em um final de semana na cidade próxima ou no mês de férias em um país distante. Quanto mais tempo e distância, mais nos abrimos para essas novas possibilidades, descobertas e reflexões. Se até esse momento da vida (50+) você não fez uma viagem dessas, sugiro MUITO!

  • Em grupo e com agência

Sempre há aprendizados, inclusive profundos, em grupos conhecidos ou não, como no caso de ir com uma agência.  Mas, também há a possibilidade de distrações mais superficiais que ajudam a nossa própria resistência ao novo e à abertura para tudo isso, que evitam esse tipo de aproveitamento e aprofundamento.

Responsabilidade e consequência

  • Solo

Como a cada escolha “A” se pressupõe abrir mão de “B” e “C”, as consequências e responsabilidades são muito mais declaradas em uma viagem solo. Lidar com as consequências e assumir a responsabilidade das escolhas normalmente são tranquilas nessa fase 50+ de vida, mas ainda assim é bom comentar.

  • Em grupo e com agência 

Pode ser uma oportunidade de deixar fluir e ter outras pessoas ou, no caso de agência, de uma empresa, ser o fator responsável. Férias das responsabilidades e consequências pode ser delicioso!

Relendo minha lista, eu vejo que não deve ser só uma questão de personalidade, mas também de fase, e nessa escolha/momento entram as 3 perguntas que ando me fazendo: se está coerente entre o meu racional e o meu emocional, se faz ressoar dentro da alma, e por último, por que não? Seguindo as suas próprias respostas é só  aproveitar muito a viagem!

Faça um comentário
Simone Kobayashi
Eu cuido de gente e sou apaixonada pela jornada do Ser. Viajante para dentro e para lugares maravilhosos que estão fora. Terapeuta Holística que atua há mais de 20 anos. Opto por um caminho mais leve, feliz e evolutivo. Agora a minha alma ressoa no que chamo de trabalho de consciência quântica, que é quando podemos crescer juntos, aumentar o conhecimento de si e do mundo e alinha a pessoa com o próprio ser, único e especial.

Leia também:

Aviso

A reprodução total ou parcial do conteúdo publicado no M pelo Mundo, sem a autorização do site, é proibida pela Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.