Coletor menstrual: a liberdade que você precisa em uma viagem

Imagem: Estela Alves/acervo pessoal

Demorei bastante para começar a usar o coletor menstrual. Isso aconteceu a mais ou menos dois meses.  E sempre fico me perguntando, aonde eu estava com a cabeça para não usar antes. Mas enfim. Falando de como eu achei o coletor revolucionário com minhas amigas, percebi que algumas ainda não usam, nem tentaram. Então, achei pertinente escrever isso aqui. Para mim, coletor menstrual está relacionado à liberdade. E que mulher viajante não se identifica com o conceito de liberdade? Acredito que todas!

Resultado de imagem para coletor menstrual
Imagem: coletor da Fleurity/ divulgação

Para quem não sabe, o coletor menstrual é um copinho de silicone hipoalérgico e antibacteriano, ajustável ao corpo e que coleta o sangue da menstruação. Talvez você tenha pensado – que nojo. Bom, meninas, vamos quebrar esse tabu e falar de sangue e menstruação. Eu lembro como era falar “estou naqueles dias” ou pegar o absorvente super discretamente na mochila no colégio, como se fosse algo feio, ilegal ou sei lá! Com o tempo, aprendi que menstruação não é suja e que não deve estar relacionada com algo que é reprovável.

Mas voltando ao coletor. O copinho custa em torno de 80 reais e dura até 10 anos porque é reutilizável. Não é fácil achar em farmácias, mas na internet tem várias opções. Não existem contraindicações, mas ainda existem controversas quanto à recomendação para mulheres que nunca tiveram relações sexuais, pois algumas pessoas dizem que ao colocar o coletor o hímen pode se romper. No entanto, não há nada comprovado.

Precisamos falar sobre a liberdade de usar o coletor

Mas perae, onde está a liberdade nessa história? Está em quatro esferas:  praticidade, saúde, economia e ecologia. Para exemplificar, toda essa liberdade, descrevo aqui alguns fatos:

  • Pode dormir, nadar, fazer esportes, andar, correr, viajar sem se preocupar com uma possível calça manchada de sangue. Quando inserido em seu canal vaginal, o coletor forma uma espécie de vácuo que impede que o sangue menstrual vaze. Podemos ficar com ele até 12 horas dentro da gente;
  • Não ter um pedaço de algodão nojento pendurado ou dentro de você arrebentando com a saúde íntima e acumulando bactérias. Por ser feito em silicone hipoalergênico, não causa nenhuma alergia, não agride o seu PH vaginal e não deixa que o sangue fique em contato com a sua pele.
  • Não ter nenhum cachorro cheirando seu bumbum quando você está menstruada, ou seja, não ter mais aqueles famosos odores indesejáveis. O sangue menstrual só causa mau cheiro quando entra em contato com o oxigênio;
  • Não precisar comprar todo mês vários tipos de absorvente. Por ano, a mulher gasta cerca de R$ 100 com absorvente externo. Em 10 anos, ela terá gasto R$ 1 mil.
  • Não gerar lixo de absorventes que levam anos para de degradar na natureza.

Por que você não usa, menina?

Vi que algumas mulheres não gostaram do coletor menstrual, tiveram dificuldade de se adaptar, acharam desconfortável ou nojento. No entanto, o legal é que várias marcas estão dando uma margem de teste para suas clientes, do tipo: “compre, use, se não gostar, devolvemos seu dinheiro”.

Eu achei esse produto e essa experiência em perfeita consonância com o portal M pelo Mundo, que é destinado a mulheres dispostas a viajar, aprender, dividir experiências, quebrar tabus, se adaptar e se conhecer melhor.

Não sou especialista no assunto, mas como produtora de conteúdo na plataforma do Youtube (se liga no meu canal sobre viagens low cost, mulheres que viajam sozinha e arquitetura, é bem legal), minha maior inspiração foi e ainda é a Jout Jout. Ela fez um vídeo muito divertido sobre o assunto do coletor menstrual, olha que legal (clique aqui). 

Vamos conversar sobre o assunto? Você usa coletor? Gosta? Não usa? Por quê? Deixa sua resposta nos comentários!

Faça um comentário
Estela Alves
Arquiteta, bailarina, nadadora amadora, professora de francês e youtuber. Começou um canal no Youtube "Estela Viaja" com enfoque em viagens low cost e mulheres que viajam sozinha para incentivar, facilitar e dar dicas para mulheres que querem viajar.

Aviso

A reprodução total ou parcial do conteúdo publicado no M pelo Mundo, sem a autorização do site, é proibida pela Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.