Fatos interessantes sobre Chiang Mai, a Rosa do Norte

Imagem: Liana Couto / acervo pessoal

Conhecer a Tailândia sempre foi um sonho, mas por onde começar? Escolher um lugar de um país tão diverso, repleto de ilhas paradisíacas, centros urbanos caóticos, parques naturais e uma infinidade de atrativos,  não é tarefa fácil. O intuito da viagem não era conhecer o máximo de destinos possíveis e sim buscar uma imersão, em o que seria uma das experiências mais incríveis da minha vida. Após muita pesquisa, a primeira cidade escolhida foi Chiang Mai, Norte da Tailândia.

Detalhe templo budista em Chiang Mai. Imagem: Liana Couto / acervo pessoal

Chiang Mai, ou a Rosa do Norte, é considerada o centro cultural da Tailândia e vem sendo cada vez mais visada pelos ditos nômades digitais. A combinação entre cafés e espaços de coworking, aliados ao baixo custo de vida e riqueza cultural, fazem de Chiang Mai o paraíso para esse “novo” grupo de viajantes. Além disso, é de fácil acesso, estando a apenas uma hora de voo de Bangkok.

Em pouco tempo é possível entender por que essa cidade é tão especial. Conhecida pelos seus mais de 300 templos budistas, Chiang Mai é uma mistura de caos e paz. A fumaça das centenas de tuk-tuks, scooters e carros se mesclam entre os sorrisos, as feiras de rua, o artesanato, a espiritualidade e a rica gastronomia.

Imagem: Liana Couto / acervo pessoal

Curiosidades que descobri durante um mês vivenciando Chiang Mai

  • Aproximadamente 95% da população Tailandesa pratica o Budismo;
  • O cumprimento se dá juntando a palma das mãos levando-as até o rosto, com uma leve inclinação da cabeça à frente, seguido de SAWADEE (KRUP – Homens e KHA – Mulheres);
  • É extremamente rude e até mesmo proibido entrar com sapatos em templos, casas e alguns estabelecimentos.  Por isso, é comum andar pelas ruas e ver diversos calçados do lado de fora da porta;
  • Não se senta em frente a uma estátua de Buda com os pés virados para ele;
  • É preciso cobrir ombros e joelhos para entrar nos templos, uma regra válida para homens e mulheres. Portanto, há sempre lenços na entrada dos templos para os turistas;
  • Tatuagem da cabeça de Buda é considerado sacrilégio e os Tailandeses consideram uma grave ofensa;
  • Não aponte para monges, estátuas ou imagens da família real.  Esse gesto inofensivo para nós ocidentais, também é considerado extremamente rude.

Adentrar uma nova cultura é extremamente enriquecedor, um aprendizado a cada instante, mas é preciso sempre buscar o respeito e estar atento aos costumes locais, assim a integração será mais profunda e encantadora. Um mês certamente não foi o suficiente para absorver tudo o que Chiang Mai tem a oferecer, mas fica latente o desejo de voltar.

Be respectful, always.

Faça um comentário
Liana Couto
Paraibana com raízes catarinenses, turismóloga e aspirante a fotógrafa. Capricorniana de sangue quente, apaixonada por novas culturas, cores, cheiros e sabores.

Leia também:

Aviso

A reprodução total ou parcial do conteúdo publicado no M pelo Mundo, sem a autorização do site, é proibida pela Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.